“Ataque dos Cães” é uma obra intimista e profunda

Jonathas Lopes
Jonathas Lopes
"Ataque dos Cães" da Netflix é um filme para refletir (Foto: Divulgação/Netflix)

Baseado no romance homônimo de Thomas Savage, Ataque dos Cães (The Power of the Dog) é um dos principais concorrentes na corrida pelo Oscar 2022. Isto é, o longa teve 12 indicações, tornando-se o filme mais indicado da disputa deste ano.

O filme teve estreia no 78º Festival Internacional de Cinema de Veneza em setembro de 2021. Contudo, só chegou na Netflix em dezembro do mesmo ano. Além disso, é estrelado por astros como Benedict Cumberbatch, Kirsten Dunst, Jesse Plemons, Thomasin McKenzie e Kodi Smit-McPhee.

De que se trata?

Ataque dos Cães é ambientado em 1925, e parte de uma série de conflitos após o casamento da viúva Rose (Dunst) com o fazendeiro George (Plemons). Acontece que o irmão de George, um homem durão chamado Phil (Cumberbatch) faz de tudo para tornar a vida da cunhada e do filho dela um inferno.

Uma premissa simples, um enredo profundo

Apesar de apresentar um ponto de partida simples, o longa faz um longo caminho em torno das motivações dos personagens centrais. Assim sendo, é um filme sobre pessoas, e não traz grandes conflitos como pano de fundo.

Dessa forma, em alguns momentos a narrativa pode parecer lenta, mas isso reflete em seguida nas atitudes de determinados personagens. Ou seja, o texto é construído por meio de diálogos e longas cenas.

Além disso, por sua vez, o texto é bem direto, sem rodeios e/ou explicações em torno dos acontecimentos do enredo. Isto é, requer um grau de atenção do público em cada sequência, pois a profundidade muitas vezes pode passar despercebida.

Direção equilibrada

Além de escrever o roteiro do filme, Jane Campion também assina a direção do longa. De fato, é interessante pois Ataque dos Cães é uma história com personagens masculinos no centro de tudo, mas nesse caso sob o comando de uma mulher.

Para compor sua visão da obra de Savage, o trabalho de Jane consiste em oscilar entre planos bem abertos, enquanto em outros momentos faz uso de planos bem fechados. Desse modo, em cenas que são chave para a construção emocional de algum personagem, o enquadramento é centrado no rosto.

Ademais, um dos pontos mais positivos da direção é o trabalho de tornar tudo mais natural. Ou seja, desde as atuações até a composição das cenas, a busca por um tom mais suave está presente em cada momento.

Ataque dos Cães é uma obra intimista

De fato, o filme não possui grandes acontecimentos, mas ainda assim consegue causar impacto em pouco mais de 120 minutos. Isso acontece, pois, o enredo profundo somado ao toque intimista trazem o telespectador para dentro do cenário da trama.

Sendo assim, esse longa não é sobre uma série de acontecimentos, mas uma visão profunda do eu interior dos personagens. É uma história sobre valores, preconceito e, acima de tudo, é um panorama real e conflituoso.

Palavra Final: Ataque dos Cães é aquele filme para refletir, opinar e quebrar barreiras. É uma obra intimista que toca o mais profundo do público.

NOTA: 10,0

Jonathas Lopes

Jonathas Lopes

Amante de teledramaturgia e cinema. Crítico de televisão nas horas vagas, e apaixonado pelo universo Star Wars.

Post Relacionados

Fique conectado!

Assine a nossa newsletter