Teoria sobre o filme ‘Titanic’ anula existência de Jack e prova que o personagem foi um delírio de Rose; entenda

Jonathas Lopes
Jonathas Lopes
Gerade als Rose (Kate Winslet) den Entschluss fasst, in Amerika mit Jack (Leonardo DiCaprio) von Bord zu gehen, kollidiert die Titanic mit einem Eisberg und beginnt zu sinken.

Mais de uma década depois de sua estreia nos cinemas, o filme ‘Titanic’ (1997) do cineasta canadense James Cameron continua a ser alvo de teorias elaboradas pelos fãs do romance entre Jack e Rose.

Recentemente um usuário do Twitter movimentou a rede social ao apontar furos no roteiro do filme que comprovam que o personagem Jack, interpretado por Leonardo DiCaprio, nada mais foi que uma fantasia de Rose, personagem de Kate Winslet. Segundo o user algumas situações do próprio filme anulam a existência de Jack, o que caracterizaria o personagem como uma criação da própria mente de Rose.

Nas postagens, o usuário inicia alegando que por ser um filme com tanta precisão histórica alguns detalhes envolvendo Jack não fazem o menor sentido para a época que o longa é ambientado, dado que o personagem de DiCaprio faz uso de determinados objetos que ainda não haviam sido fabricados.

Vamos aos argumentos do usuário:

No filme de 1997, Jack revela a Rose que vomitou ao subir em uma montanha russa em Santa Monica. Porém, resulta que essa estrutura só foi construída em 1916, ou seja, quatro anos após os eventos do filme, o qual se passa em 1912. Então como Jack poderia ter subido em uma estrutura que nem mesmo existia na época? Curioso, não?

Outra informação curiosa apontada pelo usuário refere-se ao Lago Wissota citado por Jack, o qual trata-se de um lago artificial que só foi criado em meados de 1917.

Dentre outros apontamentos, o usuário ainda chama a atenção para a mochila que Jack usava, a qual só foi fabricada na década de 30 e o fato dos próprios personagens do filme relatarem não ter encontrado nada sobre Jack nos vestígios recuperados do navio.

Para concluir toda essa viagem ao passado, risos, o user explica sua teoria afirmando que Jack foi apenas uma imagem projetada por Rose como forma de amenizar toda a experiência trágica vivenciada por ela durante o naufrágio, e como a própria personagem é quem narra a história sob a qual o filme se apoia, ela poderia ter adicionado certas ‘coisas’ que ela conheceu tempos depois do naufrágio.

Se Jack realmente existiu ou foi só uma evasão da mente de Rose é algo certamente curioso, dado os apontamentos relatados, porém como se trata de uma obra de ficção, detalhes como esses vez ou outra podem aparecer. O fato é que em nossa memória Jack sim existiu e, após a morte de Rose, ele e sua amada finalmente conseguiram ficar juntos. Em tempos tão difíceis o amor deve ser soberano!

Deixem recomendações nos comentários, até breve!

Jonathas Lopes

Jonathas Lopes

Amante de teledramaturgia e cinema. Crítico de televisão nas horas vagas, e apaixonado pelo universo Star Wars.

Post Relacionados

Fique conectado!

Assine a nossa newsletter